segunda-feira, 8 de abril de 2019

Gari e deputado terão mesma condições de aposentadoria, diz Guedes


Foto: AFP/Sergio LIMA
Foto: AFP/Sergio LIMA

Por: Correio Braziliense

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a reforma da Previdência, se aprovada da forma como foi enviada para o Congresso Nacional, dá as mesmas condições de aposentadoria a um gari e a um deputado. Para ele, o modelo atual é uma “fábrica de privilégios e desigualdades”.

As declarações foram dadas durante o evento “E Agora, Brasil? 100 dias de governo”, organizado pelos jornais O Globo e Valor Econômico. “O Brasil ainda não envelheceu e já quebrou a Previdência. Com a nossa reforma, um gari ou um deputado vão terminar do mesmo jeito”, afirmou. “Essa historinha de que a Previdência ataca os pobres não é verdade”, completou.

Guedes enfatizou que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) terá que economizar R$ 1 trilhão em 10 anos. Na tarde desta segunda-feira (8), circulou a informação em veículos de imprensa que o ministro teria aceito uma economia de R$ 8 bilhões. Ele negou.

Para ele, a reforma é necessária para evitar a expansão dos gastos. Guedes disse que, se o impacto fiscal for abaixo de R$ 1 trilhão, o próximo presidente terá que fazer novas mudanças nas leis de aposentadorias e pensões.

Concursos públicos e enxugamento

Guedes voltou a defender a suspensão de concursos públicos nos próximos anos. Ele ressaltou que o governo federal não realizou provas nos 100 primeiros dias de governo. “Concurso público: trava esse negócio. Quero saber o que precisa. Sem isso não tem concurso. Metade some (os 50% que se aposentarão) e a gente não repõe, ou repõe com cuidado, calibrando direitinho”, defendeu.

Sobre privatizações, disse que pretende arrecadar R$ 80 bilhões com a venda e concessões de ativos. “Vamos fazer dinheiro sair do chão”, afirmou Guedes, ao mencionar que é preciso reduzir o deficit fiscal ao máximo possível.

Outra medida é fazer com que os bancos públicos devolvam os recursos da União para ajudar a diminuir o rombo nas contas públicas. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) terá que devolver R$ 126 bilhões à União. Ele também citou a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, mas não revelou valores. Para Guedes, todos estas instituições financeiras fizeram “pedaladas” nos últimos anos.



Envie sugestões de pautas para rubemardejesus@gmail.com

 Loja de informática Brasil facin