sábado, 8 de dezembro de 2018

MPF pede que Dilma perca direitos políticos por pedaladas fiscais


A ex-presidente Dilma Rousseff durante julgamento do impeachment no Senado, em 2016Marcelo Camargo/Agência Brasil - 29.ago.2016



PODER360

O MPF (Ministério Público Federal) ingressou nesta 5ª feira (6.dez.2018) com uma ação na Justiça contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e mais 4 pessoas pelas pedaladas fiscais que levaram ao pedido de impeachment da petista, em 2016. Leia a íntegra.

Também são alvo da ação: o ex-ministro da Fazendo Guido Mantega, o ex-secretário do Tesouro Arno Augustin, o ex-presidente do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico), Luciano Coutinho, e o ex-presidente da Petrobras e do Banco do Brasil, Aldemir Bendine.


Eles são acusados de se valerem de seus altos cargos no governo federal para maquiar as estatísticas fiscais de janeiro de 2011 a dezembro de 2014 “com o objetivo de melhorar a percepção da performance governamental e ocultar uma crise fiscal e econômica iminente”.


Para o MPF, Dilma foi a grande beneficiária das pedaladas fiscais. Segundo o órgão, ela não tomou nenhuma medida para resolver o problema, mesmo após a divulgação do caso pela imprensa. “Ao contrário, passou a negar a existência das pedaladas fiscais”, diz

O MPF pede a “perda da função pública dos acusados, a suspensão dos direitos políticos de 3 a 5 anos, pagamento de multa civil de até 100 vezes o valor da remuneração percebida pelo agente e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 3 anos”.