domingo, 30 de abril de 2017

ELEIÇÕES 2018:Nova pesquisa DATAFOLHA mostra Lula na frente mas Bolsonaro já em 2.o lugar

Levantamento "relâmpago" foi feito antes da tentativa de greve geral comandada pelos sindicatos que apóiam Lula. 

Neste domingo o jornal FOLHA DE S. PAULO publica pesquisa "relâmpago" feita pelo DATAFOLHA (2.781 entrevistas, em 172 municípios, na quarta (26) e na quinta (27), antes da greve geral de sexta). Além de resultados óbvios (liderança de Lula, também o mais rejeitado), esse levantamento coloca o dep. Jair Bolsonaro em segundo lugar, mostrando sua ascenção consistente e firme.


É o candidato mais forte, no momento, para vencer a eleição presidencial de 2018.


A pesquisa Datafolha praticamente não destaca, porém, a resiliência do nome de Marina no atual cenário. Juntamente com o juiz Sérgio Moro (sem partido e que nunca se disse candidato), a ex-ministra do meio ambiente (Governo Lula) Marina Silva se mantem alheia às críticas e avaliações no atual cenário de disputa.

É, portanto, o nome mais preservado e mais forte das posições de centro e que também vencer a eleição de 2018. A Folha não aborda este cenário (que analistas consideram ser o de um candidato "tersius", que se preserva e se transforma em alternativa na corrida final, a chamada "terceira via").
  • Comparados, no entanto, com outra pesquisa do grupo PODER360, comandado pelo respeitado jornalista FERNANDO RODRIGUES (ex-Folha/UOL), os números do Datafolha aparecem defasados no quesito rejeição de Lula (índice "mortal" para qualquer concorrente numa eleição  quando supera 50%). No Datafolha Lula "sobe" para 48%, No Poder 360, ele aparece com 59%. (isso antes das manifestações violentas da última sexta-feira).
​Importante, portanto, atentarmos para as diferenças das duas pesquisas (as mais recentes no atual cenário político). Ambas mostram Lula na frente, com rejeição maior no levantamento da PODE360. Ambas confirmam a ascenção meteórica de Jair Bolsonaro, e o crescimento de João Dória (o de menor rejeição, mas o mais desconhecido). Mas o que fica evidente é a força do eleitorado de Marina Silva (sempre aparecendo em 2.o lugar, mesmo não se colocando no debate político).
A preservação de sua imagem é onde reside sua força (o de ser um "tersius", terceira força, no atual cenário político). Para onde pender o eleitorado de Marina (caso ela não consiga chegar ao 2.o turno (cenário provavel atualmente), se confirmará o nome do novo presidente da República do Brasil.
Em resumo, este é o cenário atual: Forte rejeição às medidas de Temer, que favorece Lula), crescimento da rejeição ao candidato petista, ascenção de Bolsonaro e Dória, e a preservação do nome de Marina, a "tersius". Toda atenção a ela, portanto.
Leiam abaixo as informações da FOLHA  e os números da pesquisa do grupo PODER 360, ambas realizadas em abril (após as delações da Odebrecht mas antes das manifestações violentas da sexta-feira). (NA).

Lula amplia liderança para 2018, e Bolsonaro chega a 2º, diz Datafolha

por IGOR GIELOW, de DE SÃO PAULO
O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) cresceu e aparece no segundo lugar da corrida para a Presidência em 2018, empatado tecnicamente com a ex-senadora Marina Silva (Rede).
É o que aponta a primeira pesquisa Datafolha após a divulgação de detalhes da delação da Odebrecht, que atingiu em cheio presidenciáveis tucanos –que veem o prefeito paulistano, João Doria (PSDB), surgir com índices mais competitivos.
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), por sua vez, mantém-se na liderança apesar das menções no noticiário recente da Lava Jato.
O Datafolha fez 2.781 entrevistas, em 172 municípios, na quarta (26) e na quinta (27), antes da greve geral de sexta (28). A margem de erro é de dois pontos percentuais.
O deputado Bolsonaro, que tem posições conservadoras e de extrema direita, subiu de 9% para 15% e de 8% para 14% nos dois cenários em que é possível acompanhar a evolução. Nesses e em outros dois com candidatos diversos, Bolsonaro empata com Marina.
Ele é o segundo nome mais lembrado de forma espontânea, com 7%. É menos que os 16% de Lula, mas acima dos 1% dos outros.
Com uma intenção de voto concentrada em jovens instruídos e de maior renda, Bolsonaro se favorece da imagem de "outsider" com baixa rejeição (23%) e do fato de que o Datafolha já registrava em 2014 uma tendência conservadora no eleitorado.
Ele parece ocupar o vácuo deixado por lideranças tradicionais de centro-direita do PSDB, golpeadas na Lava Jato, confirmando a avaliação de que há espaço para candidaturas que se vendam como antipolíticas em 2018.
O senador Aécio Neves (MG), que terminou em segundo em 2014 e hoje é investigado sob suspeita de corrupção e caixa dois, é o exemplo mais eloquente da crise tucana. É tão rejeitado quanto Lula: não votariam nele 44%, contra 30% no levantamento de dezembro passado. Sua intenção de voto oscilou de 11% para 8%, quando era de 26% no fim de 2015.
Já o governador Geraldo Alckmin (SP) viu sua rejeição pular de 17% para 28%, e sua intenção de voto oscilou para baixo, de 8% para 6%. Até a delação da Odebrecht, em que é suspeito de receber R$ 10,7 milhões em caixa dois, ele passava relativamente ao largo da Lava Jato.
Marina, com "recall" de candidata em 2010 e 2014, registra tendência de queda nos cenários de primeiro turno. Para o segundo turno, ela segue na liderança, mas empata tecnicamente com Lula.
O ex-presidente mostra resiliência enquanto surgem relatos de sua relação com a construtora OAS e tendo a possibilidade de ficar inelegível se for condenado em duas instâncias na Lava Jato.
Nos dois cenários aferíveis, suas intenções subiram para 30%, saindo de 25% e 26%.
Lula atinge assim o terço do eleitorado que era considerado, antes da debacle do governo Dilma Rousseff, o piso de saída do PT. Parte do desempenho pode estar associado à vocalização da oposição ao governo Michel Temer (PMDB), impopular.
Já na pesquisa de segundo turno, Lula derrota todos exceto Marina e um nome que não havia sido testado até agora: o do juiz Sergio Moro, que comanda processos contra o ex-presidente na primeira instância da Lava Jato.
Sem partido, Moro supera Lula numericamente, com empate técnico: 42% a 40%. No cenário de primeiro turno em que é incluído, o juiz chega tecnicamente em segundo. Neste cenário, o apresentador Luciano Huck (sem partido, mas sondado pelo Novo), estreia com 3%.
Outro neófito na pesquisa é Doria, que tem tido o nome cada vez mais citado como pré-candidato ao Planalto. Ele ultrapassa seu padrinho Alckmin, ainda que dentro da margem de erro. E tem duas vantagens importantes: ainda não é um nome nacionalmente conhecido e tem baixa rejeição, de 16%.
Na hipótese de ser o candidato tucano com Lula, Doria pontua 9% no quarto lugar. Sem Lula, sobe para 11% mas fica na mesma posição, ultrapassado por Ciro Gomes (PDT) –que tenta se posicionar como nome da esquerda caso o petista não concorra. No segundo turno, Doria perderia para Lula, Marina e Ciro.
Pesquisa do PODER360:

Bolsonaro com 19%, João Doria vai a 13%, e Lula é o mais rejeitado, com 59% (pesquisa feita após delações)

A pesquisa do DataPoder360 é a primeira de abrangência nacional realizada após a divulgação dos vídeos das delações da Odebrecht. O levantamento foi realizado nos dias 16 e 17 de abril. Foram entrevistados 2.058 brasileiros e brasileiras com 16 anos de idade ou mais, em 217 municípios. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.
O prefeito de São Paulo JOÃO DÓRIA se torna, a partir de agora, o tucano mais competitivo para a disputa de 2018. Doria tem se recusado a assumir a candidatura publicamente. Mas a pressão tende a aumentar.
Alckmin e Aécio foram citados nas delações da Odebrecht. Ambos negam ter cometido irregularidades, mas o desgaste tem sido intenso por causa da exposição das acusações na mídia.
João Doria não aparece nas delações da Odebrecht.

ONDA CONSERVADORA

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) está bem posicionado nos 3 cenários pesquisados para 2018. Chega a ter 19% das intenções de voto.
O deputado Jair Bolsonaro André Shalders/Poder360 - 05.dez.2016
O deputado e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ)André Shalders/Poder360 – 05.dez.2016
Como se observa nas tabelas acima, Bolsonaro só desidrata quando João Doria também entra na disputa. Nessa hipótese, os 2 empatam no 2º lugar, com 14% e 13% das intenções de voto, respectivamente.
Esse empate técnico entre Bolsonaro e Doria é uma indicação sobre como se mexe a onda conservadora que tomou conta de parte do eleitorado. É possível que parte dos eleitores esteja apenas fazendo 1 “pit stop” na candidatura do radical Jair Bolsonaro. Quando aparece alguém menos colérico, o eleitor rapidamente começa a desembarcar do deputado do Partido Social Cristão.

DORIA: DESCONHECIDO POR 53%

O tucano João Doria é o menos conhecido dos principais pré-candidatos a presidente. Segundo o DataPoder360, há 53% dos eleitores que dizem não conhecer o prefeito paulistano.
Essa “taxa de desconhecimento” não deve ser interpretada como algo a favor ou contra. Em teoria, Doria tem espaço para crescer nas preferências do eleitorado quando se tornar mais conhecido. Isso vai depender, entretanto, de seu desempenho como prefeito de São Paulo e de como a conjuntura política será alterada nos próximos meses.

A LIDERANÇA DE LULA E A REJEIÇÃO AO PETISTA

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, 71 anos, confirma sua liderança nas projeções para 2018. O petista lidera os 3 cenários testados pelo DataPoder360, com 24% ou 25% das intenções de voto, dependendo de quem são seus adversários.
No início dos anos 2000, o marqueteiro Duda Mendonça formulou a teoria dos 3 terços do eleitorado. Ele dizia que Lula sempre teria 1/3 dos votos. Outros 33% seriam do núcleo duro anti-PT. E o terço final ficaria como 1 pêndulo, flutuando de 1 lado para o outro.
Em 2002, Lula suavizou o discurso, fez uma “carta ao povo brasileiro” (que hoje sabe-se teve colaboração intelectual da Odebrecht), tirou proveito da crise econômica do final do governo FHC. Naquele ano, sob orientação de Duda Mendonça, o ex-líder sindical conseguiu vencer a disputa presidencial conquistando parte do eleitorado que o enxergava de maneira reticente.
Após o impeachment de Dilma Rousseff (em maio de 2016) e com o agravamento da recessão econômica, Lula estava reconstruindo uma ponte com parte do eleitorado que poderia garantir uma nova vitória petista na eleição presidencial de 2018. Agora, há indicações de que o cenário mudou 1 pouco.
Primeiro, o ex-presidente foi o político que teve a maior carga negativa no noticiário das delações da Odebrecht. Segundo, apesar de todas as incertezas políticas sobre a aprovação de reformas, a economia brasileira mostra resiliência e deve terminar o ano com algum crescimento. O fato é que o resultado para Lula é uma rejeição altíssima, com 59% dos eleitores dizendo que tem uma opinião negativa sobre o líder petista.
Neste momento –e pesquisas são fotografias do momento–, há sinais de que a liderança de Lula passa por uma certa inflexão na corrida pelo Palácio do Planalto. Por ora, entretanto, é impossível dizer como o petista estará posicionado em 2018.
E se Lula não puder ser candidato? Essa hipótese existe. Há risco real de o petista vir a ser condenado em 2ª Instância e ficar inelegível. O DataPoder360 indagou os eleitores a respeito: “Se Lula não for candidato a presidente em 2018 e indicar alguém no seu lugar, como você reagiria?”.
As respostas, neste momento, são desalentadoras para o PT. Segundo a pesquisa, 64% “não votariam de jeito nenhum na pessoa indicada por Lula”. Só 18% dariam “com certeza” o voto para o nome sugerido pelo petista, e outros 18% não souberam ou não responderam.
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, 64 anos, tem 8% das intenções. O senador mineiro Aécio Neves, 57 anos, fica com 7%. Os 3 tucanos –Doria, Alckmin e Aécio– foram testados em cenários idênticos (contra os mesmos adversários).

Congressistas repercutem ascensão de Doria em pesquisa do DataPoder360

Doria é o tucano mais bem posicionado no levantamento (Lula e Bolsonaro: 1º e 2º colocados em todos os cenários)

O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), 2º colocado em todos os cenários, disse que o PSDB pode impedir Doria de levantar algumas pautas de direita. Ele cita o fim do Estatuto do Desarmamento e o combate à chamada “ideologia de gênero”, por exemplo. Assista à entrevista de Bolsonaro.
Eis a tabela da pesquisa estimulada, com Doria candidato do PSDB à eleição em 2018:
Leia mais aqui
(Leia mais na edição deste domingo da Folha de S. Paulo).