quarta-feira, 1 de março de 2017

Portela renasce e volta a ser campeã no Rio após 33 anos

'Águia de Madureira'
Reuters/DA

Acabou a espera da torcida portelense pelo título do Carnaval do Rio de Janeiro. O Grêmio Recreativo Escola de Samba Portela renasceu na tarde desta quarta-feira de Cinzas com a conquista que não vinha há 33 anos, o segundo maior jejum entre as escolas de samba da cidade. Agora a "Águia de Madureira" aumenta ainda mais a sua hegemonia como maior vencedora, com 22 campeonatos.


A agremiação campeã travou uma disputa equilibrada, a cada décimo, com a Mocidade Independente de Padre Miguel. O placar estava empatado até o último quesito - samba-enredo - que acabou decidindo em favor da Portela com quatro notas 10, enquanto a Mocidade teve dois 9.9. No final, apenas um décimo deu o título à Portela, com 269.9.
Para encerrar o segundo maior jejum das grandes campeãs cariocas - apenas a Império Serrano vive espera maior - a

Portela levou à Sapucaí o enredo "Foi Um Rio Que Passou Em Minha Vida e Meu Coração Se Deixou Levar" em que o carnavalesco Paulo Barros contou histórias e mitos da água doce.

Este ano, nenhuma escola foi rebaixada para o grupo de acesso por decisão da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa) motivada por acidentes que deixaram feridos durante a passagem da Paraíso do Tuiuti e da Unidos da Tijuca. Completam o grupo das seis primeiras colocadas que se apresentarão novamente no sábado no Desfile das Campeãs, além de Portela e Mocidade, Salgueiro, Mangueira - campeã no ano passado, Grande Rio e Beija-Flor.

As escolas de samba foram avaliadas em nove quesitos: alegorias e adereços, bateria, fantasia, samba-enredo, comissão de frente, evolução, harmonia, mestre-sala e porta-bandeira e enredo.